Oracle Portugal apresenta novidades da companhia

Publicado em 10/10/2013 00:05 em Empresas

Responsáveis da Oracle Portugal apresentaram hoje novidades nas áreas do software, hardware e «cloud» (nuvem), com destaque para o programa de base de dados desenvolvido de raiz para a nuvem.

Em encontro com a imprensa, o director-geral em Portugal, Vítor Rodrigues, e os directores Fernando Dias, Hugo Abreu e Manuel Gonçalves explicaram as novidades da marca recentemente apresentadas nos Estados Unidos no evento «Oracle Open World 2013».

Indicaram que a base de dados desenvolvida de raiz para a nuvem é a primeira disponibilizada por um fornecedor de tecnologia e permite maior segurança na «cloud».

Precisaram que a opção «Oracle Database in-Memory» permite ter acesso à informação contida em bases de dados de forma tradicional ou em memória. O tratamento em memória permite acesso que pode ser até 100 vezes mais rápido do que o tradicional, garantiram.

Recordaram que novos desafios como o «big data» representam mais dados e mais informação e o volume de dados vai crescer exponencialmente, obrigando a encontrar soluções para responder melhor às necessidades dos clientes.

Vítor Rodrigues sublinhou que a opção da Oracle é apresentar inovações e soluções novas que garantam estabilidade à sua base instalada de clientes e não ponham em causa os investimentos em tecnologia feitos anteriormente.

«Para nós, inovação é o que tem aplicação prática, resolve problemas dos clientes e lhes dá vantagens competitivas», explicou.

Os directores da Oracle indicaram que a empresa investiu em inovação e desenvolvimento (I&D) 4,6 mil milhões de dólares (3,4 mil milhões de euros) no ano fiscal passado e prevê investir em I&D 5 mil milhões de dólares (3,7 mil milhões de euros) no ano fiscal em curso, que termina em Maio de 2014.

Os responsáveis da Oracle apresentaram a nova solução «backup» e «recovery», que permite manter um backup contínuo e a recuperação total ou quase total dos dados de forma mais rápida.

Explicaram que a aplicação permite que depois da cópia de segurança inicial vão sendo feitas continuamente cópias dos dados novos que vão entrando no sistema, o que permite uma utilização de recursos menos pesada. Quando é necessário recuperar dados, essa recuperação faz-se em relação a um período limitado e a uma quantidade de informação limitada e com menor ou nenhuma perda de dados.

Os dirigentes da Oracle Portugal apresentaram também o lançamento dos servidores topo de gama SPARC M6-32, com capacidade de memória até 32 terabytes (Tb) e com até 384 núcleos de processamento, e o «engineered system» mais rápido e escalável da Oracle, integrando os servidores SPARC M6-32 e Exadata Storage, optimizados para elevados níveis de desempenho de bases de dados Oracle.

Apresentaram um conjunto de novos serviços da empresa na nuvem entre os quais o «Cloud Marketplace», que permite aos parceiros Oracle desenvolverem aplicações que certificam e colocam na nuvem da Oracle, e a plataforma de serviços móveis na nuvem, que permite às empresas criarem aplicações e ampliá-las de forma segura para qualquer dispositivo móvel.

Vítor Rodrigues adiantou que a Oracle tem mais de 50% de quota de mercado mundial nas bases de dados e lidera com uma quota de 25% nos «engineered systems», com o competidor mais directo com uma quota de cerca de 15%.

Ainda sem comentários