Pessoas não devem esperar privacidade no Gmail – diz Google

Pessoas não devem esperar privacidade no Gmail – diz GooglePublicado em 19/08/2013 00:14 em Destaques

O blogue da empresa de segurança informática Sophos salienta que o Google admitiu que as pessoas não devem esperar privacidade quando mandam mensagens electrónicas para o Gmail.

Nas suas alegações escritas (ver imagem de página 19) para um tribunal de San Jose (Califórnia), onde está a ser julgada uma queixa contra a multinacional, o Google sustenta que «tal como o remetente de uma carta para um colega de negócios não pode ficar surpreendido se a secretária do destinatário abrir a carta, as pessoas que hoje usam correio electrónico não podem ficar surpreendidas se as suas comunicações forem processadas pelo fornecedor de ECS [serviços de comunicações electrónicas] no decurso da entrega».

O Google sustenta que as pessoas não podem ter expectativas legítimas de privacidade da informação que voluntariamente entregam a terceiras partes.

A acção contra o Google foi posta devido ao seu «scanning» (visualização) automático das mensagens electrónicas enviadas de e para o Gmail e considera que essa medida é uma intercepção ilegal de comunicações electrónicas sem consentimento dos utilizadores, que viola leis federais dos EUA e do Estado da Califórnia.

O Google alega que todos os utilizadores de correio electrónico dão o seu consentimento implícito ao processamento automático das suas mensagens e cita uma decisão do Supremo Tribunal relativa a comunicações telefónicas.

John Simpson, director da associação de advogados norte-americana «Consumer Watchdog», salienta que quando põe uma carta no correio espera que entreguem a carta no endereço escrito no envelope, não que os correios abram a carta e a leiam.

«Da mesma forma, quando mando uma mensagem electrónica espero que seja entregue ao destinatário indicado no endereço de correio electrónico; porque esperaria que fosse interceptada pelo Google e lida?», questiona Simpson.

Ainda sem comentários