Normas abertas permitirão poupanças 1,1 mil milhões de euros na UE

Publicado em 26/06/2013 01:16 em Geral

A Comissão Europeia defende que a adopção de normas abertas que evitem que as entidades públicas dependam de um único fornecedor de tecnologias de informação e comunicação (TIC) podem permitir poupanças anuais de 1,1 mil milhões de euros na União Europeia (UE).

A Comissão considera que as normas abertas podem atrair um maior número de concorrentes aos concursos públicos e estima que uma duplicação do número de concorrentes reduz normalmente em 9% os valores de adjudicação.

Neelie Kroes, vice-presidente da Comissão Europeia responsável pela agenda digital, defende que as normas abertas criam concorrência, conduzem à inovação e permitem poupar dinheiro.

A Comissão sustenta que a utilização de normas abertas em vez da especificação de uma marca, ferramenta, sistema ou produto TIC poupa dinheiro aos contribuintes, mas alerta que muitas organizações não dispõem de competências para decidir quais as normas pertinentes, receiam que os custos iniciais da mudança sejam demasiado pesados ou temem perder dados.

Para ajudar os responsáveis de departamentos públicos encarregados do planeamento e aquisição de sistemas TIC, a Comissão publicou terça-feira um guia prático de orientações sobre a normalização das TIC, para apoiar as autoridades numa melhor utilização das normas, aumentar a eficiência e evitar a dependência de um único fornecedor de tecnologias da informação.

O guia ajuda os decisores públicos a avaliar as normas mais adequadas para escolherem as que melhor servem a sua estratégia e evitam a dependência de um fornecedor.

Ainda sem comentários