Base utilizadores «apps» cresce 15 vezes mais do que a de Internet

Publicado em 15/06/2013 23:56 em Geral

A base de utilizadores de aplicações móveis («apps») cresceu 251% em média anual acumulada nos últimos cinco anos, o que significa um crescimento 15 vezes superior ao da base de utilizadores de Internet, estima a consultora research2guidance.

Aquela analista de mercados aponta como principais razões para o crescimento exponencial da utilização de aplicações móveis a grande gama de «apps», a aliança vencedora smartphones/«apps», com muito mais êxito do que a conjugação PC/software, e o facto de as aplicações permitirem que os dispositivos móveis inteligentes sejam usados como uma ferramenta em muitas das actividades do dia-a-dia.

Acrescenta que os dispositivos móveis geram o contexto em que as «apps» criam valor para os utilizadores.

Não há outros dispositivos para o mercado de massas que estejam disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana, que sejam pessoais e que forneçam informação local sempre que necessário, observa.

A research2guidance afirma que o número de utilizadores de aplicações móveis deverá ultrapassar o número de utilizadores de Internet fixa e considera que será apenas uma questão de tempo até que surjam smartphones com preços abaixo de 100 dólares (75 euros) e planos de subscrição por cerca de 5 dólares (menos de 4 euros) mensais nos mercados emergentes.

A consultora assinala que à medida que os utilizadores particulares e empresariais evoluem para o móvel, o desenvolvimento de tecnologias da informação (TI) vai tornar-se também móvel e adianta que o desenvolvimento de aplicações móveis é já um negócio de muitos milhares de milhões de dólares.

Prevê que a indústria de serviços de TI evoluirá para as aplicações móveis nos próximos 10 anos e centenas de milhares de programadores terão de ser formados em linguagens de programação móvel.

A research2guidance antecipa que o canal móvel se tornará um elemento estratégico chave para as empresas de todos os sectores e será um desafio criar, desenvolver, manter e gerir centenas de serviços móveis num crescente número de plataformas e para uma diversidade de utilizadores.

A consultora prevê que a dimensão e a velocidade destas mudanças gerarão uma onda de fusões e aquisições, nomeadamente de companhias produtoras de aplicações e de serviços móveis.

Ainda sem comentários