Volume negócios Fujitsu Portugal cresceu 3% no ano fiscal 2012

Publicado em 23/05/2013 23:44 em Geral

O volume negócios da Fujitsu Portugal cresceu 3% no ano fiscal 2012, terminado a 31 de Março, indicou o director-geral em Portugal, Carlos Barros, que não adiantou valores absolutos de facturação.

Em encontro com a imprensa,Carlos Barros indicou que a partir de 1 de Abril passado, início do ano fiscal 2013 da multinacional japonesa, a Fujitsu Portugal ficou responsável pelos negócios da companhia em Angola e Moçambique.

Para 2013, o director-geral prevê que as receitas da Fujitsu Portugal cresçam 5,8% no mercado nacional, não incluindo a actividade em Angola e Moçambique.

Indicou esperar que dentro de três anos o negócio em Angola e Moçambique represente 15% da facturação total da Fujitsu Portugal.

Em relação ao Global Delivery Services, o centro de serviços que a Fujitsu tem em Lisboa e que emprega 650 pessoas, Carlos Barros adiantou que teve um aumento de 8% na sua facturação e vai contratar mais 35 pessoas. Recordou que o centro dá origem a exportações da Fujitsu Portugal para países estrangeiros.

O director-geral adiantou que a Fujitsu Portugal investiu 700 mil euros na área de gestão de documentos electrónicos, uma área susceptível de gerar exportações para outros países, designadamente europeus.

Revelou que as quatro centenas de parceiros da multinacional em Portugal geraram no exercício 2012 cerca de 27% da facturação em Portugal.

Satoru Hayashi, vice-presidente executivo da Fujitsu Technology Solutions, afirmou que a multinacional tem uma visão da tecnologia centrada nas pessoas e está focada em criar inovação para a actividade das pessoas, dinamizar os negócios e a sociedade e optimizar os sistemas de tecnologias da informação e comunicações (TIC).

Hayashi abordou a importância da nuvem e dos serviços de mobilidade na estratégia da Fujitsu.

No encontro com a imprensa, a Fujitsu Portugal apresentou também os seus novos portáteis e tablets, incluindo o tablet Stylistic M702, com sistema operativo Android, que pode continuar a funcionar se estiver mergulhado em água até 30 minutos e a uma profundidade não superior a 1 metro.

O tablet traz tecnologia de reconhecimento de impressões digitais e permite utilizar a câmara fotográfica como digitalizador

O Stylistic Q702, com sistema operativo Windows 8, é dirigido principalmente ao segmento profissional, indicou Joana Carneiro, responsável da Fujitsu.

Joana Carneiro acrescentou que a nova linha de portáteis Lifebook E, que chega ao mercado português dentro de uma semana, está posicionada entre os ultrabooks (portáteis de alto desempenho, ultra-finos e ultra-leves) e o segmento superior de portáteis, indicando que a nova linha tem uma redução de peso de 15 a 20%, ainda que não seja tão leve como os «ultrabooks».

Joana Carneiro revelou que a Fujitsu lançou também o seu primeiro all-in-one, computador de secretária da gama X Line.

Paulo Silva, consultor de segurança da Fujitsu, apresentou o novo sensor de veias da mão que funciona como mecanismo de identificação, garantindo ser mais fiável do que as impressões digitais ou a iris.

O sensor, que pode servir para controlar o acesso a instalações, para autenticação em caixas multibanco ou simplesmente para funcionar como password de um dispositivo informático, identifica mais de cinco milhões de pontos de referência nas veias da mão, que são uma assinatura única que não se altera ao longo da vida.

Paulo Silva sublinhou que o sistema só funciona quando o sangue está a fluir na mão.

João Carvalho, gestor da unidade de retalho em Portugal, apresentou o conjunto de tecnologias que a Fujitsu tem vindo a desenvolver para o sector de retalho e destacou que a Fujitsu é líder em Portugal em soluções tecnológicas para o mercado retalhista, com uma quota de mercado de 30%

Ainda sem comentários