ETNO apoia proposta de directiva para segurança das redes e informação

Publicado em 12/02/2013 17:11 em Operadores / Serviços

A Associação Europeia de Operadores de Telecomunicações (ETNO) apoia a proposta de directiva da Comissão Europeia que estende os requisitos de segurança a todos os actores do mercado electrónico que oferecem serviços aos cidadãos da União Europeia (UE).

Na sua tomada de posição, a ETNO afirma que a segurança é uma prioridade chave e um importante factor para que os consumidores utilizem a Internet.

Acrescenta que a associação apoia a nova proposta de directiva que reconhece a necessidade de estender a segurança através de toda a cadeia de valor, abrangendo outros fornecedores de serviços Internet como as plataformas de comércio electrónico, sistemas de pagamento Internet, redes sociais ou motores de busca.

A ETNO garante que os seus membros estão empenhados em altos níveis de segurança, essenciais para a qualidade dos serviços, mas sublinha que os operadores de rede e os fornecedores de serviços Internet estão a competir crescentemente com actores do mercado de fora da Europa.

Na perspectiva da ETNO, é importante que todos os actores de mercado que oferecem aquele tipo de serviços a cidadãos europeus, independentemente da sua localização geográfica, estejam sujeitos aos mesmos requisitos e obrigações, para evitar desvantagens competitivas para as companhias europeias e para garantir uma experiência consistente aos consumidores.

Aquela associação defende a extensão do âmbito da directiva europeia a todos os sectores das comunicações electrónicas, públicos e privados, incluindo os requisitos mínimos de segurança e a obrigatoriedade de reportar acidentes de segurança.

Algumas multinacionais e outras grandes empresas têm retardado ou mesmo tentado evitar o reporte e a divulgação pública de ataques informáticos de que foram alvo, frequentemente com roubo de dados pessoais dos seus utilizadores.

A ETNO tem 37 operadores membros e 12 observadores que somam um volume de negócios da ordem dos 600 mil milhões de euros e empregam cerca de 1,6 milhões de trabalhadores.

Ainda sem comentários