Pagamentos móveis: realidade não corresponde a expectativas - DBR

Publicado em 07/08/2010 20:51 em Destaques

Os pagamentos móveis (M-pagamentos), com utilização de telemóvel, suscitaram grandes expectativas mas tiveram um êxito muito limitado, segundo um estudo do Deutsche Bank Research (DBR).

Citando um estudo da Gartner, o DBR sublinha que menos de 1% dos europeus e menos de 2% dos norte-americanos utilizadores de telemóveis usaram os seus terminais móveis para fazer pagamentos de proximidade, como liquidação da factura de estacionamento por desconto na factura do telefone móvel.

Algumas definições de M-pagamentos incluem compras Internet como toques, músicas ou jogos para telemóvel, outras excluem esse tipo de compras, mas uma distinção chave está entre pagamentos de proximidade no ponto de venda e compras remotas, salienta o serviço de investigação económica do Deutsche Bank.

Os M-pagamentos têm dificuldade em impor-se na Europa e América do Norte devido às ofertas alternativas do sistema financeiro, como cartões de débito, crédito e outros, e e as tecnologias de pagamentos sem fios com tecnologia NFC (Near Field Communication) precisam de elevados investimentos em infra estruturas e a adopção por um número alargado de comerciantes e prestadores de serviços prévia à sua adopção pelos consumidores, observa.

Além disso, os consumidores, nomeadamente os alemães, querem meios fáceis e seguros de pagamento e têm grandes reticências a disponibilizar o seu número do telemóvel no processo de M-pagamentos, tanto mais que ninguém quer receber chamadas não solicitadas de negócios ou de vendedores maçadores.

O DBR assinala que a oferta das «app stores» (lojas Internet para compra de aplicações e outros serviços importados digitalmente), acessíveis através dos modernos smartphones, está a conquistar utilizadores e pode diminuir as barreiras à adopção de sistemas móveis de pagamentos, considera o DBR.

Ainda sem comentários