Europa quer defender-se da «corrida às ciber-armas»

Publicado em 03/08/2012 00:47 em Segurança Informática

Depois de ter sido detectado o programa malicioso altamente sofisticado Flame, aparentemente desenvolvido por agências governamentais dos Estados Unidos, e de ter sido identificado uma nova versão do malware Madi, alegadamente desenvolvido pelas autoridades israelitas, a União Europeia (UE) pretende tomar medidas de defesa da corrida às Ciber-armas, segundo a newsletter EurActiv.

O Flame, um malware de uma sofisticação e potência sem precedentes e que só terá sido detectado ao fim de alguns anos, e a nova versão do Madi detectada a 25 de Julho, aparentemente modificado para ser usado pelos Estados Unidos, foram denunciados pela empresa russa de segurança informática Kaspersky e visavam governos e outras entidades nacionais, nomeadamente de países do Médio Oriente, mas não apenas dessa região.

A CE prevê ter em funcionamento no início de 2013 um centro de combatre ao cibercrime visando operações de grupos criminosos, desde as fraudes bancárias até à exploração sexual de crianças na Internet, mas estará também a preparar, já para as próximas semanas, medidas de defesa face a uma alegada corrida às ciber-armas, segundo o EurActiv.

O EurActiv afirma que Bruxelas não aponta o dedo à China, mas insinua que um alegado ataque de piratas chineses poderá estar na génese dessas medidas. Entidades privadas norte-americanas, citadas pela agência Bloomberg, e e serviços secretos dos Estados Unidos, atribuem um ataque ao gabinete do presidente do Conselho Europeu a um grupo pirata «Byzantine Candor», que estaria ligado aos militares chineses.

Curiosamente, o malware poderoso e sofisticado conhecido, produzido para atacar países e grandes organizações, tem sido ligado aos governos dos Estados Unidos e Israel por empresas de segurança informática como a Kaspersky e mesmo por universidades. Mas os receios da UE parecem virar-se para a China.

A Comissão tem também em preparação uma estratégia de ciber-segurança que deverá ser publicada no próximo Outono.

Ainda sem comentários