Nokia com prejuízos de 3 101 milhões euros no primeiro semestre

Nokia com prejuízos de 3 101 milhões euros no primeiro semestrePublicado em 20/07/2012 00:22 em Geral

A fabricante de equipamentos de telecomunicações Nokia apresentou no primeiro semestre de 2012 prejuízos de 3 101 milhões de euros, quase 12 vezes mais do que as perdas de 261 milhões de euros registadas na primeira metade de 2011.

Em comunicado de resultados, a multinacional finlandesa indica que as suas vendas baixaram 24,3% no primeiro semestre, para 14 896 milhões de euros.

Aquela multinacional apresentou prejuízos operacionais de 2 166 milhões de euros na primeira metade do ano em curso.

No segundo trimestre, os prejuízos da Nokia ascenderam a 1,4 mil milhões de euros e as suas receitas baixaram 19%, para 7 542 milhões de euros.

As receitas de vendas de terminais no segundo trimestre aumentaram 45% na América do Norte, mas caíram 41% na China, 34% na Europa, 33% no Médio Oriente e África, 13% na Ásia/Pacífico e 11% na América Latina.

O CEO da Nokia, Stephen Elop, citado no comunicado, afirma que o segundo trimestre foi difícil mas os empregados da Nokia estão a demonstrar a sua determinação em reforçar a competitividade da empresa.

Sublinhou que no segundo trimestre foram produzidos 4 milhões de Nokia Lumia (modelos com o sistema operativo Windows Phone, da Microsoft) e garantiu que a Nokia pretende fornecer actualizações da série Lumia, bem antes do lançamento do Windows Phone 8, que deverá ser um importante catalizador para a gama Lumia.

O CEO da multinacional finlandesa considerou que a companhia reforçou a competitividade nos telefones tradicionais, com o lançamento dos primeiros Asha com ecrã sensível ao toque.

Stephen Elop destaca que está a executar com urgência o programa de reestruturação da companhia, vendendo activos não centrais como a marca de telemóveis de luxo «Vertu» e reestruturando as operações do grupo.

No segundo trimestre, a Nokia vendeu 83,7 milhões de telemóveis (menos 5% homólogos), com as vendas de smartphones a reduzirem-se 39%, para 10,2 milhões, e as de telefones tradicionais a aumentarem 2%, para 73,5 milhões.

Entre 30 de Junho de 2011 e o fim do primeiro semestre de 2012, o emprego da Nokia reduziu-se em 25 072 postos de trabalho, para 113 562 trabalhadores, com destaque para as quedas de 12 019 empregos na Europa (para 43 077 trabalhadores), de 5 416 na América Latina (para 10 296), e de 3 355 na Ásia/Pacífico (para 26 655).

Para o terceiro trimestre, a Nokia espera que a forte concorrência continue a afectar as vendas tanto de smartphones como de telefones tradicionais e antecipa um período de transição na área dos smartphones da marca.

Ainda sem comentários