Lucros da Ericsson cresceram primeiro semestre

Publicado em 19/07/2012 00:40 em Indústria

Os lucros do fabricante sueco de equipamentos de telecomunicações Ericsson cresceram 37,0% no primeiro semestre, para 10 mil milhões de coroas suecas (1,2 mil milhões de euros), anunciou a multinacional.

No entanto, no segundo trimestre os resultados líquidos caíram para menos de metade (menos 63%), quedando-se em 1,2 mil milhões de coroas suecas (140 milhões de euros).

Em comunicado de apresentação de resultados, a Ericsson indica que o seu volume de negócios baixou 1,3% no primeiro semestre, para 106,3 mil milhões de coroas suecas (12,4 mil milhões de euros), devido à queda de 17,3% no seu principal negócio (redes de telecomunicações), para 55,1 mil milhões de coroas suecas (16,4 mil milhões de euros).

A facturação do segmento de serviços globais aumentou 22,5%, para 44,7 mil milhões de coroas suecas (5,2 mil milhões de euros) e as receitas das soluções de suporte subiram 38,3%, para 6,5 mil milhões de coroas suecas (760 milhões de euros).

Os resultados operacionais da primeira metade de 2012 cresceram 22,1%, para 13,8 mil milhões de coroas suecas (1,6 mil milhões de euros).

Hans Vestberg, presidente e CEO da Ericsson, citado no comunicado, salientou que a redução da facturação na área de redes se deveu principalmente ao declínio do investimento em equipamentos para redes de terceira geração (3G), à redução da actividade na China, incluindo nas vendas de equipamentos para redes GSM (segunda geração móvel), assim como a menores vendas de 3G na Rússia.

Vestberg destacou a conjuntura macroeconómica actual e as incertezas políticas em certas regiões, que afectam os investimentos em telecomunicações.

O presidente e CEO da Ericsson destacou que a ST-Ericsson, empresa comum detida em partes iguais com a ST Microelectronics, continua numa situação difícil devido à queda significativa nas vendas de novos produtos.

As vendas do fabricante de semicondutores baixaram 10,6% no segundo trimestre, para 344 milhões de dólares (280 milhões de euros), e os prejuízos agravaram-se 43,9%, para 318 milhões de dólares (229 milhões de euros).

Ainda sem comentários