Symantec apresenta nova versão do software de segurança Norton 360

Publicado em 02/03/2012 00:38 em Segurança Informática

A Symantec apresentou quinta-feira em Lisboa a versão 6.0 do software de segurança Norton 360, que inclui uma funcionalidade com base na nuvem para gerir remotamente os produtos Norton.

Stefan Wesche, especialista técnico dos produtos Norton, assinalou que além da segurança dos computadores, as principais funcionalidades do Norton 360 são a protecção de identidade, para evitar que os atacantes retirem dados pessoais do PC, a gestão de largura de banda quando o computador está ligado a redes com limite de tráfego Internet e funcionalidades melhores de backup.

Wesch anunciou, também, o lançamento na próxima Primavera do Norton 360 Everywhere, que protege computadores, tablet PC e smartphones, numa altura em que cada pessoa utiliza um número crescente de dispositivos.

O especialista da Symantec assinalou que o Norton 360 6.0 inclui o «Sonar Behaviorial Proteccion», um pequeno programa que monitoriza o computador para identificar aplicações potencialmente perigosas a partir do seu comportamento.

Alexandre Carneiro, gestor da área de consumo da Norton, indicou que um milhão de dispositivos informáticos são infectados todos os dias no mundo e estimou que no ano passado os prejuízos causados pela pirataria informática ascenderam a 388 mil milhões de dólares (291 mil milhões de euros).

Destacou que tem havido «um crescimento brutal» do software malicioso para smartphone e que o sistema operativo Android, da Google, é «uma versão aberta e há um sério risco na sua utilização» se não se utilizar um software de segurança.

Alexandre Carneiro apresentou um estudo realizado pela Norton em parceria com a empresa de estudos de mercado Sperling’s BestPlaces, que não inclui cidades portuguesas, que conclui que Manchester (Reino Unido) é a cidade europeia com maior risco informático.

Seguem-se Amesterdão, Estocolmo, Paris, Londres, Dublin, Milão (Itália), Roma, Barcelona (Espanha) e Berlim.

O responsável da Norton salientou que maior risco não significa que a cidade tenha maior número de computadores infectados e explicou a liderança de Manchester pela existência na cidade britânica de 445,4 hotspots públicos Wi-Fi por 100 mil habitantes e pelo elevado número de tentativas de ataque de malware.

Salientou que o estudo não se baseia em queixas às autoridades mas nas situações detectadas pelos cerca de 20 milhões de sensores de que a Symantec dispõe na Internet.

Ainda sem comentários