Brasil atingiu 250 milhões de clientes móveis no fim de 2011

Publicado em 22/02/2012 00:11 em Operadores / Serviços

O Brasil atingiu 250 milhões de clientes móveis no fim de 2011, um crescimento anual de quase 20% e uma taxa de penetração de 125%, calcula a consultora e analista de mercado Wireless Intelligence.

No Estado de São Paulo a taxa de penetração da telefonia móvel atinge os 142%.

O relatório da Wireless Intelligence indica que o mercado brasileiro representa actualmente mais de um terço do total de clientes de telefonia móvel da América Latina e tem mais subscritores do que o México, Argentina e Colômbia somados.

No fim do ano passado, as ligações móveis de terceira geração representavam 17% do total de clientes, ligeiramente acima da média da América Latina (15%).

A Vivo, operador móvel controlado pela espanhola Telefonica depois de a Portugal Telecom ter alienado a sua participação na empresa, lidera o mercado brasileiro com 72 milhões de clientes, que lhe conferem uma quota 29%, seguida pela TIM Brasil, ligada à Telecom Italia, com 64 milhões de clientes e um peso de 26% no mercado.

Em terceiro lugar surge a Claro, da America Movil, com 60 milhões de clientes e 25% do mercado e em quarto o operador móvel do grupo Oi, participado pela PT depois da saída do capital da Vivo, com 45 milhões de clientes e uma quota de 18%.

As quatro grandes companhias detêm cerca de 98% do mercado móvel do Brasil, cabendo o restante a pequenos operadores regionais de telefonia móvel.

A Vivo reclama representar 37% dos clientes brasileiros de factura pós-paga e 43% dos clientes de banda larga móvel do Brasil.

O grupo Oi, participado pela PT mas com maioria de capital brasileiro, continua a liderar destacadamente o mercado de telefonia de rede fixa.

O regulador brasileiro tem apoiado o crescimento do mercado móvel nos últimos anos com vários leilões de espectro radioeléctrico. No leilão de Dezembro, a TIM Brasil assegurou nove lotes na banda dos 1800 MegaHertz (MHz) por 109,3 milhões de reais (42,3 milhões de euros), a Oi adquiriu quatro blocos na mesma banda por 110,8 milhões de reais (49,0 milhões de euros) e a Sercometel (que conta 80 mil clientes) um bloco nos 1800 MHz por 3 milhões de reais (1,3 milhões de euros).

A Claro ficou com um bloco na banda dos 800 MHz por 14,5 milhões de reais (6,4 milhões de euros).

O Governo brasileiro prevê leiloar ainda este ano espectro radioeléctrico que suporta as tecnologias de quarta geração móvel LTE.

Ainda sem comentários