Android será sistema operativo mais usado em smartphones em 2011

Publicado em 28/11/2011 01:20 em Equipamentos

A consultora Gartner prevê que a plataforma Android, da Google, seja o sistema operativo mais utilizado em smartphones em 2011 e que no próximo ano represente quase metade do mercado mundial.

Aquela consultora e analista de mercado admite que o Android tenha no ano em curso 38,5% do mercado, ultrapassando o sistema operativo Symbian (essencialmente usado pela Nokia), que fica com uma quota de 19,2% (pouco mais de metade da quota de 2010, em que liderou), sendo mesmo ultrapassado pelo iOS, da Apple, com 19,4%.

A plataforma BlackBerry, da Research in Motion (RIM), também perde peso e cai para quarto lugar, com uma quota de 13,4%.

O Windows Phone, da Microsoft, deverá ter este ano um ligeiro ganho de mercado, para 5,6%, mas o acordo com a Nokia deverá permitir-lhe ficar nos próximos anos com uma fatia mais expressiva do mercado mundial de smartphones

A Gartner prevê que em 2012 o Android (utilizado por diversas marcas) fique com 49,2%, o iOS (iPhone) com 18,9%), mantendo segundo lugar até 2014, o BlackBerry com 12,6%, o Windows Phone com 10,8% e o Symbian com 5,2%.

Em resultado do acordo estratégico Microsoft/Nokia, assinado no início de 2011 e que prevê que o Windows Phone seja o principal sistema operativo dos smartphones da Nokia, em 2015 a plataforma Symbian praticamente não será utilizada e a quota do Windows Phone deverá aproximar-se dos 20%, ficando em segundo lugar no mercado, antecipa a Gartner.

Aquela consultora prevê que em 2015 o Android lidere, com 48,8% de quota de mercado, surgindo em terceiro lugar o iOS (17,2%) e em quarto o BlackBerry (11,1%)

A Gartner estima que este ano se vendam 467,7 milhões de smartphones no mundo, um aumento de 57,7%, e no próximo quase 630,48 milhões de unidades, um acréscimo de 34,8%.

Para 2015, a Gartner admite que se vendam mais de 1 104 milhões de smartphones, antecipando que mais de dois terços dos smartphones terão nessa altura um preço que não excede os 300 dólares (225 euros ao câmbio actual).

Ainda sem comentários