Internet Explorer 9 foi o mais eficiente a travar ataques de engenharia social, NSS Labs

Publicado em 18/08/2011 22:46 em Internet

O navegador Internet Explorer 9, da Microsoft, foi a mais eficiente a proteger os utilizadores de ataques de engenharia social, com um resultado de mais de 99%, devido à nova funcionalidade «Application Reputation», segundo um teste da NSS Labs a cinco «browsers».

A NSS Labs, uma organização independente que realiza testes de segurança informática, indica que as taxas de infecção por software malicioso se aproximam dos 70% nalguns países e que o bloqueio de malware de engenharia social pelos navegadores Internet analisados varia entre 6% e 99%.

Aquela organização observa que entre o teste do terceiro trimestre de 2010 e o do segundo trimestre deste ano, o Internet Explorer, o Chrome (da Google) e o Opera melhoraram a sua capacidade de bloquearem malware e o Firefox (da Mozilla) e Safari (da Apple) pioraram.

Os dados da NSS Labs revelam que o segundo navegador Internet mais eficiente a bloquear ameaças de engenharia social é o Chrome 12, da Google, com 13,2% de eficiência, seguindo-se o Safari 5, da Apple e o Firefox 4, da Mozilla, ambos com 7,6% e em quinto lugar o Opera 11, com 6,1% das ameaças paradas.

A companhia salienta que o malware de engenharia social continua a ser a ameaça de segurança mais comum para os utilizadores de Internet. Em 2010 um terço dos utilizadores de Internet da União Europeia foram vítimas de software malicioso, segundo dados do Departamento de Estatísticas das Comunidades Europeias (Eurostat).

O Eurostat indica que os países mais afectados entre os 27 foram a Bulgária (58%), Eslováquia (47%), Hungria (46%), Itália (45%) e Estónia (43%).

Na Ásia/Pacífico, os países em que os utilizadores de Internet são mais atingidos por software malicioso são a China (quase 70%), a Tailândia (65%) e o Japão (59%), segundo a NSS Labs.

A NSS Labs destaca que os ataques maliciosos representam um risco significativo para os utilizadores individuais e para as organizações, susceptível de comprometer, danificar ou adquirir informação pessoal e empresarial sensível.

A NSS Labs afirma que realizou dois testes de segurança dos navegadores Internet («browsers») em matéria de malware de engenharia social, um geral e outro dirigido especificamente á região Ásia/Pacífico.

Ainda sem comentários